Search

APP Sindicato se coloca contra projeto de escolas cívico-militares

Londrina – Em entrevista ao Jornal Primeira Hora, Marcio André Ribeiro, presidente regional de Londrina da APP Sindicato (Associação dos Professores do Paraná) , sindicato de professores(as) e funcionários(as) de escola do Paraná, explicou que a organização é contra o modelo de colégios cívico-militares proposto pelo governo estadual.

“Nós somos desde sempre contrários a esta proposta”, disse o presidente, que explicou que os professores não são contra a Polícia Militar. “São companheiros, funcionários públicos também, que prestam um serviço importantíssimo para a nossa sociedade”, disse.

A preocupação do sindicato é com a mistura das funções, uma vez que, segundo Ribeiro, existe uma preparação para o trabalho exercido pelos policiais que é diferente da dos professores. Para o presidente, estas duas funções não se misturam.

O problema da disciplina, respeito, organização e segurança deveria, segundo Marcio André, ser analisado com mais profundidade. Para o presidente, o aumento de funcionários para o número suficiente e adequado, traria a resolução destes impasses de forma humanizada, de acordo com a pedagogia estudada na universidade.

CONSULTA PÚBLICA

A consulta pública foi lançada pelo governo estadual sobre a adesão de escolas estaduais de ensino regular ao modelo cívico-militar.

O edital foi lançado para o ano letivo de 2024. São 127 escolas, listadas no edital (6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio), para decidir sobre a adesão, abrangendo aproximadamente 80 mil alunos da rede estadual. Em Londrina, 15 colégios são cotados para o modelo; a cidade já possui 17 escolas cívico-militares.

PlayFM - Ao vivo
PlayTV - Ao vivo
Contato

Fale com a gente!